Crimes em todos estados aumenta as vendas de “blindados” no Brasil!

De seu escritório, Marcos Petrônio olha para a espaçosa oficina, onde estão os luxuosos corpos de carros de luxo. Assentos, painéis, painéis, pneus são removidos e armazenados; Dezenas de trabalhadores pesados ​​estão trabalhando nas sobras dos carros. Eles martelam, batem, perfuram, soldam, moem, aparafusam – e finalmente juntam os veículos. Eles parecem novos, mas têm um revestimento muito mais estável do que antes.

“O Rio de Janeiro é um bom mercado”, diz Marcos Petrônio, proprietário da Salvaguarda empresa-blindar carro, e isso não é apenas o fato de que ele tem apenas dois sérios concorrentes no Rio, enquanto em e ao redor de São Paulo empresa 60 tanque para clientes anunciar. Por que o mercado é bom, o Petrônio gosta de cobrir histórias assustadoras. Ele fala de clientes que foram instalados em sua própria garagem e teve que deixar os criminosos na casa. Do motorista de um carro blindado, que deixou a janela entreaberta e atirou de volta.

O empresário cujo carro teve 16 acessos no ano passado. Atacantes que acertam o vidro com suas pistolas para descobrir se realmente são feitos de vidro à prova de balas. Ou de si mesmo: como ele ainda era assaltado e roubado no meio do Rio por três motociclistas em um carro normal.

Crescimento no mercado

O negócio de Patrônio cresceu 38% no primeiro trimestre de 2008, e vem fazendo isso há anos. Na entrada da Safeguard, logo atrás dos altos portões de metal, perto dos carros, a chegada nos próximos dias. Como a fila em frente à empresa agora tem 66 carros, a Petrônio também alugou uma área segura.

De acordo com uma teoria difundida, carros invisíveis são mais bem protegidos contra ataques; o chefe da Salvaguarda pergunta a ela: “Quem está roubando um Porsche amarelo!” Durante o passeio pelo salão, onde 20 corpos estão sendo blindados simultaneamente, Petrônio diz: “Isso é praticamente todo trabalho manual”.

Somente para os modelos mais comuns eles teriam algumas peças pré-fabricadas. Os materiais de blindagem são habituais placas de aço, janelas à prova de bala e uma extremamente forte tecido de fibra sintética – o quadrado de 123 euros – que pode suportar um projéctil, mas ainda é elástico, ser coladas, de modo que pode ser facilmente processado.

Vidro à prova de balas

O diabo está nos detalhes, na precisão. As partes individuais da armadura devem se sobrepor, não deve haver nenhuma lacuna, nenhuma lacuna, nenhuma lacuna. Nas longarinas dos caixilhos das portas, por exemplo, ou ao redor das maçanetas das portas, as esteiras de fibra não são adequadas porque um tiro poderia empurrar o tecido sintético colado para o lado.

Carros

Deve haver aço. Assim, até mesmo o tanque do sistema de lavagem para a janela traseira de um SUV grosso é – na verdade é apenas uma garrafa de plástico – adaptado a uma carcaça de aço complexa. “Você dificilmente acredita, mas muitos clientes acham que uma bola bate facilmente e o disco não está danificado”, questiona Christian Conde.

É presidente da Associação Brasileira de Indústria de Armadura, sua empresa Vitrotec em Campo Limpo, perto de São Paulo, produz vidros de segurança. Em seu laboratório de testes, você pode ver o que uma bala está fazendo: o disco de dois centímetros de espessura fica cego, com cada disparo deixando uma protuberância enorme. Mesmo que o carro e o motorista tenham sobrevivido ao ataque – apenas para novas janelas, pelo menos 800 euros são devidos.

Blindagem de carros

A armadura padrão no Brasil suporta tiros comuns entre criminosos, revólveres, pistolas e submetralhadoras do Brasil. “Com você na Europa, os carros são em sua maioria blindados por políticos que querem ser protegidos de ataques terroristas”, diz Conde, “mas isso é sobre crime, então este é um negócio normal e não um segredo de Estado”.

DPVAT 2019

Um negócio que brilha intensamente: a indústria armou cerca de 7.000 carros no ano passado. Em 2003, não foi a metade. O Brasil é o líder mundial em blindagem de carros não militares, diz Conde. Isso agrada a indústria, mas não é necessariamente um registro do qual o Brasil deveria se orgulhar.

Por causa da enorme desigualdade social, o crime é particularmente alto aqui, e é por isso que os brasileiros também são os melhores clientes da indústria de armamentos no país. “No entanto, fatores econômicos em última análise, desempenham um papel maior do que a avaliação de ameaças”, diz Conde. Quanto melhor a economia, mais as pessoas estão dispostas a gastar 20 mil euros, o que, por si só, custa o upgrade de seu carro. “As pessoas preferem comprar um carro um pouco mais barato, mas é blindado”, diz Conde.