Conheça o Bolsa Família

A realidade é que a crise, especialmente a tão ruim de 1999, levou a que mais colombianos passassem a linha do que é considerado pobre e muitos outros inchem o exército de pobreza ou miséria, não porque necessariamente andem sujos pelas ruas, mas porque eles não têm o rendimento mínimo para sobreviver.

E qual é esse nível de renda mínimo? Segundo dados da Unidade de Desenvolvimento Social do Planejamento Nacional, se alguém na Colômbia recebe menos de 52 mil pesos por mês, não tem o que é preciso para estar vivo. Está na miséria.

De acordo com a metodologia da linha de pobreza (medida pela renda), se uma pessoa recebe em média mais do que o montante e menos de 120.000 pesos por mês, ele é considerado em situação de pobreza. Em outras palavras, ele não está em posição de dirigir sua vida de maneira digna.

O que é o bolsa família?

Para técnico como Alfredo Sarmiento, chefe da unidade disse Planejamento Nacional não é fácil de medir a pobreza ou indigência, mas sob qualquer metodologia é utilizada, não há dúvida de que a crise econômica dos últimos anos agravou a situação de pobreza entre muitos colombianos.

Os métodos são três: as Necessidades Básicas Insatisfeitas (NBI), que analisam as condições físicas da moradia, a frequência escolar, a superlotação e o número de pessoas dependentes da renda calendário do pagamento bolsa família tabela.

A segunda maneira de medir a pobreza é a renda, ou Linha da Pobreza, e você deve responder a seguinte pergunta: Se você gasta toda sua renda em comida, quanto precisa para sobreviver? Essa medida pode colidir com problemas como a posse de ativos que geram renda adicional ou subsídios do Estado que aumentam a renda. No entanto, não é comum que pessoas mais pobres tenham ativos que alugam.

O terceiro tem a ver com a medição em termos de condições de vida que combina variáveis ​​quantitativas e qualitativas. Por exemplo, adicione renda com qualidade do telhado da casa. Levar em conta questões como o acesso à qualidade dos serviços, a qualidade da habitação, a educação e o capital humano e a composição da casa.

Confira mais o sobre o programa social

Descobrir a pobreza Os números da pobreza foram tornados públicos na semana passada no fórum Emprego: um desafio para a Colômbia, organizado pela OIT: 55% dos colombianos vivem na pobreza, um número que cresceu pouco mais de 3% contra o ano anterior. Em outras palavras, mais de 20 milhões de colombianos não têm uma renda que lhes permita conduzir suas vidas com dignidade.

No campo, a situação é pior do que na cidade, porque a pobreza atinge 80% das pessoas que vivem lá, isso é quase sete milhões. A violência aumentou o número nos últimos anos.


Mas o problema não é a pobreza, mas a crescente pobreza e indigência. De acordo com os dados do Planejamento, 21% dos colombianos (um em cada cinco) vivem em extrema pobreza. E novamente o campo tem a pior parte: 46% de seu povo não tem uma renda que lhes permita viver (52.000 pesos).

A preocupação do governo é ótima. E, em particular, as conseqüências trazendo variáveis ​​como saúde, educação e o mesmo trabalho. Por exemplo, estima-se que os alunos que abandonaram a escola estão aumentando devido à incapacidade dos pais de sustentar seus filhos na escola: 20 em cada 100 crianças pobres não vão à escola.